Departamento Autônomo de Água e Esgoto de Rio Claro

Daae libera água das ETA para consumo em Assistência

Após minucioso trabalho de limpeza e análise, o Departamento Autônomo de Água e Esgoto (Daae) de Rio Claro liberou na quinta-feira (13) para Assistência a água tratada nas duas ETA (estações de tratamento de água). A distribuição deixa de ser feita pelo poço artesiano que por décadas foi usado no distrito. “Os moradores aguardavam essa melhoria há décadas e, após muitos esforços, conseguimos tornar esse sonho realidade”, comenta o prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria.


Para viabilizar esse avanço, a prefeitura e o Daae implantaram reservatório em Assistência, com capacidade para um milhão de litros. Outro reservatório similar, recém entregue no Jardim Novo, também reforça o abastecimento no distrito. Além disso foram instalados sete quilômetros de adutora. Toda essa obra foi entregue e entrou em operação no início deste mês. Para liberar a água aos moradores nesta quinta-feira, o Daae fez nos últimos dias testes e limpeza na nova adutora e nos reservatórios.

“Esses procedimentos eram necessários antes da liberação da água para consumo. Agora, os moradores passam a receber água de qualidade das estações de tratamento de água do município”, destaca o superintendente do Daae, Paulo Roberto Bortolotti. A última etapa do processo foi a eliminação da água do poço que estava na rede de distribuição de Assistência, medida necessária para não haver a mistura com a água que vem das estações de tratamento, conforme exigência do Ministério da Saúde.

Até a quarta-feira (12) o distrito era abastecido por um poço artesiano de 150 metros de profundidade, com água retirada do aquífero do Tubarão (Tatuí/Itararé). Era uma água era salobra, com gosto salgado, e o tratamento era feito somente com adição de pastilhas de cloro, inseridas na água por tubos, sem os processos de decantação, floculação e filtração.

O bombeamento da água do poço era ineficaz em diversas regiões do distrito, causando rotineiras faltas d’água. Outro problema era a sensação “pegajosa” na pele ao tomar banho, pois a água do poço não produz espuma.

“Agora o distrito de Assistência tem água de qualidade, sem gosto, sempre fresca e com tratamento convencional”, ressalta Bortolotti, acrescentando que o investimento na série de obras para melhorar o abastecimento e qualidade da água no distrito foi de aproximadamente R$ 1,5 milhão, com verbas federais e contrapartida do município.



O Daae explica ainda que nos primeiros dias, por estar chegando com grande pressão, a água manterá um aspecto “esbranquiçado”. Isso ocorre devido à liberação de microbolhas dissolvidas na água, erroneamente confundidas com excesso de cloro.

“A água pode ser consumida normalmente, o tom esbranquiçado se deve ao fato da tubulação estar cheia de ar. Assim que esse ar sair por completo, a água será incolor”, comenta Bortolotti. “Quem preferir pode deixar a água ‘branca’ em repouso por alguns segundos em um copo ou recipiente para essa coloração desaparecer”, finaliza.

Telefone: 0800 505 5200 - 2011/2012 - Todos os Direitos Reservados - Implementação: www.cebinet.com.br
Desenvolvimento: Leonardo Marcondes e Rogério Ap. Picceli - Colaborador: José Eduardo Abdalla