Departamento Autônomo de Água e Esgoto de Rio Claro

Perguntas frequentes

Perguntas freqüentes sobre eliminadores e bloqueadores de ar.


Existe ar nas redes de água?

R: Não. O sistema de distribuição de água é planejado, construído e operado para distribuição de água. Em momentos excepcionais, como quando o fornecimento é suspenso para manutenção, por acidentes, intermitência no abastecimento ou outras situações extraordinárias, pode ocorrer a entrada de ar nas tubulações, porém não é em todos os casos que isso acontece.


Este ar afeta a perfeita medição do consumo? Em quanto?

R: Não, de forma alguma o ar que eventualmente entra pela rede de distribuição de água altera o consumo faturado do cliente, seja para mais ou para menos. A quantidade de ar que passa pelo hidrômetro é tão pequena que não representa alteração nenhuma no
consumo ou no valor da conta.


O que o DAAE faz para enfrentar esse problema de ar na rede de distribuição?

Quando é identificada uma região que enfrenta problemas de ar na rede de distribuição, várias pessoas são afetadas (pois são atendidas pela mesma rede). Nesses casos, a equipe Técnica do DAAE rapidamente toma as providências adequadas para eliminar o ar da rede
de distribuição. Por motivos de segurança da saúde das pessoas, essas providências são sempre tomadas na rede coletiva, nunca nos ramais individuais.


O que são esses “eliminadores de ar” vendidos no mercado? Eles funcionam? 

R: Muitas empresas tentam colocar à disposição equipamentos “milagrosos” que eliminam o suposto ar que passa pelo hidrômetro. Seria impossível reduzir o consumo e a conta de um cliente apenas retirando o ar que eventualmente tenha entrado na rede. Para que esses equipamentos funcionem e, efetivamente, exista uma redução no consumo, é preciso uma quantidade muito grande de ar na rede, o que já sabemos que não existe.


Esses produtos são seguros?

R: Não. Nenhum desses equipamentos conseguiu qualquer tipo de certificação ou normatização do INMETRO para uso. A Legislação é clara: a Portaria 246 , editada em 07 de fevereiro de 1994 pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro, em seu regulamento técnico metrológico , item 9 – "condições de utilização", no sub-item 9.4, coloca que "qualquer dispositivo adicional, projetado para ser instalado junto ao hidrômetro, deverá ser aprovado pelo Inmetro, com vistas a verificação de interferência no funcionamento do medidor".


A instalação destes equipamentos individuais na rede pública de distribuição de água é ilegal?

R: Sim. O cavalete é considerado como rede pública, ou seja, de responsabilidade do DAAE. Qualquer equipamento, aparelho ou tecnologia colocado à disposição na rede pública deve passar pelo crivo técnico do DAAE, e instalado pelo DAAE ou por alguém autorizado pelo DAAE, pois a água distribuída é um dos principais itens relacionados à Saúde Pública.


A legislação ampara a instalação deste tipo de equipamento?

R: Não.
A Lei Estadual Nº. 12.520/07 apresentada por algumas empresas como regular, foi julgada como INCONSTITUCIONAL pelo Tribunal de Justiça de São Paulo no dia 14 de janeiro de 2009.

Já a Lei Municipal nº 4.285/2011 autoriza o usuário a instalar equipamento, sob suas expensas e sua responsabilidade, dentro de seu imóvel. Essa lei é inerte, pois sob a óptica da Lei Federal 11.445/07, a tubulação interna do imóvel é responsabilidade do usuário do
serviço.


Instalando um eliminador ou bloqueador ou autorizando alguém a fazê-lo, dentro da minha casa, o que pode acontecer?

R: Se você instalar o equipamento no cavalete, estará incorrendo com infração e terá que pagar pelo conserto e uma multa por ter violado o sistema de medição de água, podendo ter até mesmo a ligação cortada dependendo do risco à saúde. Dentro da tubulação interna da casa é possível, porém existe o risco à saúde sua e de sua família.


Quais os perigos que estes aparelhos trazem para a população?

Mesmo instalando dentro de seu imóvel, saiba que esses equipamentos oferecem risco a saúde pública por diversos motivos:

1. Não são homologados por órgãos certificadores;
2. Não existe garantia que estes equipamentos tenham, em sua composição, materiais não-contaminantes;
3. A instalação ou manuseio de equipamentos similares por pessoal não-capacitado pode causar contaminação;
4. Ao instalar o equipamento você está, direta ou indiretamente, gerando um ponto “aberto” na rede, possibilitando focos de contaminação por insetos, animais, enchentes, etc.


O que dizem os órgãos oficiais sobre eliminadores de ar?

FUNASA: Parecer técnico Fundação Nacional de Saúde (Funasa) alerta risco de contaminação da água potável pela utilização de eliminadores de ar. Segundo parecer, "na tentativa de se eliminar um problema, a instalação dos eliminadores de ar poderá causar outro mais grave (colocar em risco a saúde da população), uma vez que se introduz um ponto de abertura na rede de distribuição, propício às doenças de veiculação hídrica".

INMETRO: Segundo diretor de Metrologia Legal-DIMEL, do Inmetro, Roberto Luiz de Lima Guimarães, o eliminador de ar não é aprovado ou autorizado pelo órgão. O uso de selo de aprovação do Inmetro é INDEVIDO, ILEGAL E PROIBIDO.

 
Telefone: 0800 505 5200 - 2011/2012 - Todos os Direitos Reservados - Implementação: www.cebinet.com.br
Desenvolvimento: Leonardo Marcondes e Rogério Ap. Picceli - Colaborador: José Eduardo Abdalla